MPF denuncia desvio de R$ 1,9 milhão no aluguel de embarcações para vitimas de enchentes em 2010

MPF denuncia desvio de R$ 1,9 milhão no aluguel de embarcações para vitimas de enchentes em 2010

Três barragens que atendem cidades do Agreste estão cheias após chuvas na região
Moradores voltam às suas casas após enchente em Barra de Guabiraba

O Ministério Público Federal em Pernambuco (MPF-PE) denunciou 14 pessoas por envolvimento em fraudes na gestão de recursos do Ministério da Integração Nacional, enviados para dar assistência às vítimas de enchentes ocorridas em 2010, na  Mata Sul e no Agreste do estado.Os acusados são investigados pela Operação Torrentes. Esta é a décima denúncia oferecida à Justiça.

Entre os denunciados estão oficiais da Polícia Militar (PM) e do Corpo de Bombeiros, empresários e o atual secretário-executivo da Defesa Civil do Recife, Cássio Sinomar.

De acordo com o MPF-PE, foram desviados R$ 1,9 milhão dos cofres públicos, no aluguel de embarcações destinadas ao transporte de pessoas pelo Rio Una, que transbordou, causando as enchentes.

A Operação Torrentes foi deflagrada em 2017 pela Polícia Federal e investigou um esquema criminoso na gestão de recursos enviados às vítimas de enchentes, que eram desviados pelos agentes públicos para favorecer um grupo de empresas. Os preços eram superfaturados e licitações eram dispensadas indevidamente.

O esquema consistia, ainda, na celebração de aditivos irregulares a contratos e pagamentos por mercadorias não recebidas e serviços não executados.

Nesta atual denúncia, a irregularidade consiste em fraudes em licitações, irregularidades na execução de contratos e na pactuação de termos aditivos, de novembro de 2010 a setembro de 2013, para locação de embarcações.

A ação foi remetida à 13ª Vara Federal em Pernambuco e o MPF-PE requer a condenação dos envolvidos e a reparação do dano causado ao patrimônio público.

Acusados

Foram denunciados os PMs Mário Cavalcanti de Albuquerque, Waldemir José Vasconcelos de Araújo, Laurinaldo Félix Nascimento e Roberto de Melo Filho. Na Casa Militar do governo de Pernambuco, eles ocupavam, respectivamente, os postos de secretário, secretário-executivo, presidente da Comissão Permanente de Licitação e coordenador Administrativo, na época das fraudes. Eles já haviam sido denunciados anteriormente.

Entre os servidores públicos, também foram acusados Eduardo José Pereira da Silva, então secretário-executivo de Segurança Institucional; Ivan Fredovino Ramos Júnior, ex-coordenador da Defesa Civil do estado, e Cássio Sinomar de Santana, sucessor de Ivan na coordenação da Defesa Civil e atual secretário-executivo de Defesa Civil do Recife. Adriano Alves da Silva, ex-gerente de apoio administrativo da Defesa Civil de Pernambuco, também é denunciado. Esses são os novos nomes acrescentados à operação.

Do PE10

COMMENTS

WORDPRESS: 0