Bezerros registra primeiro caso de febre amarela de Pernambuco.

Bezerros registra primeiro caso de febre amarela de Pernambuco.

Foi confirmado nesta sexta-feira (16) pela Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES), o primeiro caso de uma pessoa infectada com febre amarela

Anvisa proibe venda de 17 lotes de descongestionante nasal.
Nova “lista da morte” colocada em escola assusta moradores do Agreste.
Especialistas alertam para o perigo de pagar multas com cartão de crédito.
BOATO: Lei que isenta idosos de pagar estacionamento em shoppings.
Pernambuco registra 2º caso suspeito de febre amarela.
Foi confirmado nesta sexta-feira (16) pela Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES), o primeiro caso de uma pessoa infectada com febre amarela no estado. O resultado do diagnóstico apontou que o infectado reside no município de Bezerros, no Agreste, e teria contraído a doença em viagem a São Paulo.
A viagem do referido paciente teria ocorrido no dia 29 de janeiro e, apesar do ocorrido, a SES relatou que o homem está bem e fora do período de viremia, ou seja, o vírus não está mais em seu organismo. Outro caso suspeito – da filha do Paciente I – está sendo analisado. Ao todo quatro casos já foram notificados no estado, porém três não se confirmaram.
Apesar da confirmação, a Secretaria de Saúde ressalta que deve haver cautela por parte dos pernambucanos. A infecção não necessariamente significa estado de alerta, já que o homem contraiu a doença fora do estado. Na próxima semana o Laboratório Central de Pernambuco (Lacen-PE) irá iniciar os exames sorológicos (IgM) com o objetivo de detectar possíveis novos casos.
Febre amarela
A febre amarela é uma doença viral aguda causada por um vírus. Na maior parte dos casos, os sintomas incluem febre, calafrios, perda de apetite, náuseas, dores de cabeça e dores musculares, principalmente nas costas. Os sintomas geralmente melhoram ao fim de cinco dias. Em algumas pessoas, no prazo de um dia após os sintomas melhorarem, a febre regressa, aparecem dores abdominais e as lesões no fígado causam icterícia. Quando isto ocorre, aumenta o risco de insuficiência renal e respectivamente morte.
Vereador Salatiel Cortez