Gestores deverão anunciar gastos públicos com shows em Pernambuco

Gestores deverão anunciar gastos públicos com shows em Pernambuco

Bolsonaro sanciona lei que proíbe casamento de pessoas com menos de 16 anos.
Venda e criação de pássaros, poderá ser autorizado em PE

Lei 15.818/16 foi sancionada pelo governador e publicada no Diário Oficial.
Fica obrigatória a implantação de uma placa com dados sobre o evento.

Gastos públicos com festas e contratações de artistas e shows deverão ser comunicados à população pernambucana. É o que determina a Lei 15.818/16, sancionada na terça-feira (31), pelo governador Paulo Câmara (PSB). Os gestores públicos do estado terão 45 dias para se adequar e cumprir a nova norma, que determina a instalação de placa de 6 metros quadrados no local do evento para explicitar e detalhar os custos do governo estadual, prefeituras ou qualquer agente ou gestor público.

A lei, de autoria do deputado Rodrigo Novaes (PSD), foi publicada no Diário Oficial de Pernambuco, nesta quarta-feira (1º de junho). A ideia é assegurar mais transparência nas contratações de artistas e realização de festas. Em alguns casos, gestores de prefeituras chegavam a gastar fortunas para levar cantores famosos no Brasil, pagando muito dinheiro, enquanto setores essenciais da administração, como saúde e educação, careciam de verbas.

A nova legislação determina que a placa contenha o nome da atração e o valor do cachê, o responsável pela estrutura, iluminação, som e palco, além da origem dos recursos utilizados.  Quem descumprir a norma, estará sujeito a levar advertência, no primeiro caso, e multa, se for reincidente. O valor pode variar de R$ 1 mil a R$ 100 mil, dependendo da estrutura e do porte do estabelecimento.

Para o deputado Rodrigo Novaes, será uma medida para melhorar a comunicação do poder público com a população, dando transparência  ao processo de contratação de eventos. “Queremos afinar a relação entre os gestores e os cidadãos. Despertar a consciência da população”, declarou o parlamentar.

Ele também acredita que a medida vai inibir atitudes de gestores pouco comprometidos com a situação de dificuldade do estado e dos municípios pernambucanos, que atravessam grave crise. “O prefeito vai pensar duas vezes em gastar até R$ 300 mil para fazer uma festa ou  contratar um cantor famoso, enquanto as escolas estiverem sem merenda e os hospitais com falta de remédios. Queremos garantir o equilíbrio da gestão e evitar esses gastos públicos que acontecem e poucos tomam conhecimento”, declarou.

Fantasmas
Em novembro de 2009, surgiram denúncias de utilização de recursos públicos em contratação de festas que nunca aconteceram. O caso ficou conhecido como “os shows-fantasmas” e provocou a demissão do então secretário de Turismo de Pernambuco, Silvio Costa Filho.

O caso é alvo de investigação pelo Ministério Público Federal, Tribunal de Contas do Estado e Polícia Federal. Estimou-se na época que o prejuízo aos cofres estaduais chegava a quase R$ 900 mil.

Fonte:G1

COMMENTS

WORDPRESS: 0