Moro decreta prisão do ex-presidente Lula

Moro decreta prisão do ex-presidente Lula

O tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), com sede em Porto Alegre, encaminhou na tarde desta quinta-feira (5) à Justiça Federal no Paraná o o

Delator confirma: Lula era o chefe da quadrilha do petrolão
BRASIL:Lula chega aos 70 anos de idade.
Por unanimidade, STJ nega pedido de habeas corpus de Lula.
Datafolha aponta que 53% querem Lula preso e 43% dizem que ex-presidente não vai disputar eleição.
Grupo de juristas vai monitorar ações contra Lula para evitar o que chamam de golpe
FAINTVISA - FACULDADE DA VITÓRIA

O tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), com sede em Porto Alegre, encaminhou na tarde desta quinta-feira (5) à Justiça Federal no Paraná o ofício com a autorização para a execução da pena do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pelo caso do triplex de Guarujá (SP). O petista foi condenado em segunda instância a 12 anos e 1 mês de prisão.

O documento foi encaminhado um dia após o Supremo Tribunal Federal (STF) negar um pedido de habeas corpus apresentado pelos advogados do ex-presidente, que tentava evitar a prisão de Lula.

A defesa pedia que a pena fosse cumprida somente após o trânsito em julgado da sentença, mas o recurso foi negado na quinta-feira (5), por 6 votos a 5, após 11 horas de votação dos ministros.

Lula foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro por ter recebido o imóvel no litoral paulista como propina dissimulada da construtora OAS. Em troca, ele teria favorecido a empresa em contratos com a Petrobras. O ex-presidente nega as acusações e se diz inocente.

Leia a íntegra do documento enviado a Moro:

Senhor Magistrado,

Tendo em vista o julgamento, em 24 de janeiro de 2018, da Apelação Criminal n° 5046512-94.2016.4.04.7000, bem como, em 26 de março de 2018, dos Embargos Declaratórios opostos contra o respectivo acórdão, sem a atribuição de qualquer efeito modificativo, restam condenados ao cumprimento de penas privativas de liberdade os réus JOSÉ ADELMÁRIO PINHEIRO FILHO, AGENOR FRANKLIN MAGALHÃES MEDEIROS e LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA.

Desse modo e considerando o exaurimento dessa instância recursal – forte no descabimento de embargos infringentes de acórdão unânime -, deve ser dado cumprimento à determinação de execução da pena, devidamente fundamentada e decidida nos itens 7 e 9.22 do voto condutor do Desembargador Relator da apelação, 10 do voto do Desembargador Revisor e 7 do voto do Desembargador Vogal.

Destaco que, contra tal determinação, foram impetrados Habeas Corpus perante o Superior Tribunal de Justiça e perante o Supremo Tribunal Federal, sendo que foram denegadas as ordens por unanimidade e por maioria, sucessivamente, não havendo qualquer óbice à adoção das providências necessárias para a execução.

Cordialmente,

Desembargador Federal

Nivaldo Brunoni.

Com as informações do G1

Vereador Nidinho da Saúde

COMMENTS

WORDPRESS: 0