Nesta Páscoa, não troque o Cordeiro pelo coelho!

Nesta Páscoa, não troque o Cordeiro pelo coelho!

Para judeus e cristãos, a Páscoa remete à passagem da escravidão para a liberdade.

A verdadeira Páscoa nada tem a ver com coelhos ou chocolates, por mais lindos e saborosos que eles sejam. Sua origem está escrita no livro de Êxodo, q

Príncipes, princesas e até imperador: quem são e o que faz a Família Imperial Brasileira?
Superlua, Lua de Sangue e Lua Azul ao mesmo tempo esta quarta.
VOCÊ SABIA? Tomar muitos banhos você pode estar prejudicando seu microbioma.
Por que pessoas em relacionamentos felizes também traem?
Drone flagra criança mergulhando com quatro tubarões.

A verdadeira Páscoa nada tem a ver com coelhos ou chocolates, por mais lindos e saborosos que eles sejam. Sua origem está escrita no livro de Êxodo, que conta a história de sofrimento do povo judeu, escravizado no Egito. O povo clamou, e Deus enviou o socorro por meio das dez pragas que assolaram aquela terra conhecida por sua riqueza e poder. Após a última praga, que foi a morte de todos os primogênitos, Faraó determinou que os judeus saíssem imediatamente do Egito.

O capítulo 12 relata que Deus determinou que cada família deveria matar um cordeiro, sem mácula. O sangue do animal seria passado nas ombreiras e na verga das portas, e o Senhor passaria naquela noite pela terra do Egito, e mataria os filhos mais velhos de todas as casas que não tivessem a marca do sangue.

Nesta mesma noite, as famílias deveriam comer a carne do cordeiro assada no fogo, com ervas amargosas. Há alguma semelhança nisso com chocolates doces? Não. A Páscoa original remete ao sofrimento que o povo padeceu no Egito, e à libertação concedida por Deus. Está escrito em Êxodo 12.27: Este é o sacrifício da páscoa ao Senhor, que passou as casas dos filhos de Israel no Egito, quando feriu aos egípcios, e livrou as nossas casas.

Por ser uma ordenança do Senhor, os judeus continuaram festejando a Páscoa, lembrando-se da sua condição de escravos libertos pela mão de Deus no Egito. Jesus também se lembrou desta festa, quando pediu aos discípulos que organizassem a ceia para celebração da Páscoa (Mt. 16.18). Naquela mesma noite, porém, Jesus foi preso. O cordeiro que seria morto nesta ocasião era o próprio Filho de Deus, que também traria liberdade ao povo, escravizado pelo pecado. “Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós” (I Co 5:7b).

Para judeus e cristãos, a Páscoa remete à passagem da escravidão para a liberdade. Aqueles foram libertos das mãos de Faraó e passaram a ser livres para seguir o caminho guiado por Deus. Estes foram libertos da escravidão do pecado e agora vivem livres em Cristo.

E de onde vieram os ovos e coelhos, já que a Bíblia nada cita a respeito destes e de outros símbolos que hoje são relacionados à Páscoa? Vieram de povos com tradições pagãs. Diferentes histórias explicam esta distorção na verdadeira história. Os celtas (cuja religião era rica em simbolismos e rituais) utilizavam o ovo nos rituais, pintavam os ovos e os enterravam, pois consideravam o ovo símbolo de renascimento. Esse povo também utilizava o coelho, como representação da fertilidade, originando-se o reconhecido coelho da páscoa. Egícios, persas e chinesas, na Antiguidade, também tingiam ovos, mas para presentear os amigos. A própria Igreja Católica, que lembra da ressurreição de Cristo durante a Páscoa, incorporou a tradição dos coelhos e ovos no seu discurso.

Infelizmente, a história que é amplamente divulgada, principalmente por conta dos apelos comerciais, é de uma Páscoa feliz desde que seja farta de bacalhau, ovos de chocolate caros e coelhinhos de pelúcia. Porém, a história que deve estar nos corações e lábios dos cristãos, é de uma Páscoa feliz com Jesus, aquele que morreu na cruz do Calvário, como um cordeiro, para transformar em filhos todos aqueles que o receberem como Salvador.

Feliz Páscoa, com Jesus, para todos!

Por: Mezaabe Vitor – em busca da informação

FAINTVISA - FACULDADE DA VITÓRIA

COMMENTS

WORDPRESS: 0