Nova lei obriga academias de ginástica a disponibilizar kits de primeiros socorros em Pernambuco.

Nova lei obriga academias de ginástica a disponibilizar kits de primeiros socorros em Pernambuco.

Norma número 16.124 foi publicada no Diário Oficial nesta terça-feira (29). Entre equipamentos previstos está aparelho digital para medir pressão arterial.

Uma nova lei obriga as academias de ginástica e musculação, bem como estabelecimentos semelhantes, a disponibilizar aos frequentadores, em local vis

Polícia prende pai acusado de estuprar filha de 5 anos na zona sul de São Paulo
CORTÊS-PE:Prefeito e vice, eleitos no último domingo(02), garantem que vão abrir mão de salários
Gestante terá de reagendar cesárea com nova regra
CONCURSO:Saiu o gabarito preliminar das provas do concurso PM de Pernambuco
Vereador Ítalo Damasceno requere ao Secretário de Turismo a Implantação do ID Jovem.

Uma nova lei obriga as academias de ginástica e musculação, bem como estabelecimentos semelhantes, a disponibilizar aos frequentadores, em local visível e adequado, kits de primeiros socorros. A norma número 16.124 foi publicada no Diário Oficial da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), nesta terça-feira (29). Entre os equipamentos devem constar aparelho digital para medir a pressão arterial.

O kit de primeiro socorros deve ter, ainda, um estojo e os seguintes itens: curativos; hastes de algodão flexíveis, algodão, fita microporosa e atadura elástica. Além disso, a lei exige uma caixa de comprimidos de ácido acetilsalicílico 500 miligramas, uma caixa de comprimidos de paracetamol 500 miligramas, compressa de gaze e bolsa térmica de gel ‘Quente-Fria’ reutilizável.

Também devem fazer parte desse kit uma caixa de anti-histamínico, um frasco de água oxigenada, um antidiarreico, um termômetro, além de um par de luvas de látex descartáveis.

De acordo com a lei, esses kits de primeiros socorros deverão ser colocados em local adequado, sinalizado e desobstruído para uso em caso de emergência. De preferência, eles precisam ser feitos de material à prova de poeira e permanecer em lugar livre de umidade.

A norma determina também que o administrador da academia, com apoio de professores, deverá acompanhar os prazos de validade, bem como, as condições de conservação e armazenagem dos produtos. A lei, segundo a Alepe, entrará em vigor após 90 dias da sua publicação. O projeto original é do ex-deputado Professor Lupércio, atual prefeito de Olinda.

Via: G1

Voz da Mata Sul – em busca da informação.

COMMENTS

WORDPRESS: 0